domingo, 5 de outubro de 2008

A música tocava repetitivamente, nos ouvidos da menina no parque.A mesma,uma vez e depois mais uma.Não tinha coragem de muda-la.Não queria.Seus soluços,inquietavam o parque.Precisava deixar o tempo agir,mas naquele instante tudo o que desejava era congelar aquela tarde,aquelas lágrimas.Atrás dos olhos castanhos,uma palavra.Tantos sentimentos guardados,tantas coisas não ditas.Era tarde demais.
A cor do gramado em que se deitava, trazia lembranças.O céu azul rabiscava as nuvens brincando com suas formas,enquanto ela simplesmente acompanhava o caminho que percorriam.Tanta facilidade na forma como se movimentavam.Tanta calma...E aquela vontade de chorar não ia embora.Havia esperado tanto.Nem por um dia havia derramado uma gota sequer por ele.Não se permitia.E por mais que houvesse tentado,a ferida que ele havia feito,hoje,doia mais que qualquer coisa.A imagem que implorava poder esquecer,se repassava a cada minuto por sua cabeça.
O vento sussurrava as risadas que deram,e a dança que tiveram naquele baile.Sussurrou também as cartas escritas e confissões trocadas.Os olhares amigos,e as converssas jogadas foras.Lembrou da época em que podiam se dizer melhores amigos.Da ocasião em que se encontrou apaixonada por ele.Do adeus não dado.
E de repente,ficou impossível continuar.Porque aquele amigo havia sumido.Virou somente mais um por entre as multidões.Só mais um rosto e alguém a dizer bom dia.Um estranho.E olhando ele com a mesma menina,de mãos dadas,não soube mais como segurar e guardar o sentimento,como havia feito tantas vezes.Dessa vez,não soube como ignorar as memórias,nem as lágrimas.Não tinha para onde correr,nem como esquecer o que finalmente aceitava sentir.E tudo o que conseguia era chorar,enquanto parecia que seus pés movimentavam-se sozinhos,levando-a para qualquer lugar,qualquer esconderijo.
Deitada,a música lembrou o tempo em que fugir era mais fácil,e amar ainda era algo inexistente.As palavras correram soltas por entre sua boca,pela primeira e ultima vez.Os olhos fechados em desespero,os fones tocavam a lembrança do que era hora.E o mundo em sua volta desapareceu,sendo somente um borrão,sem importancia.Era tarde demais.
"Te amei mais que sorvete de vanilha"

"I remember when we kissed
I still feel it on my lips
The time that you danced with me
With no music playing
I remember the simple things
I remember till I cry
But the one thing I wish I'd forget
The memory I wanna forget Is goodbye"

Um comentário:

Nanda Kenshin's disse...

" Vem cá, que 'tá' me dando uma vontade de chorar...
Não faz assim, não vá pra lá, meu coracão vai se entregar a tempestade."
E ele não vem, ele não vem.
e eu como, pra tentar preencher o vazio que ele me causa.


Mil beijos