domingo, 15 de março de 2009

Quando eu tinha 3 ou 4 anos,houve um acidente.Um do qual,não me lembro de praticamente nada.Entretanto,os minutos em que esperei minha mãe voltar com minha irmã,de na época 1 ano,são uma das lembranças mais vivas que tenho comigo.Quando tinha 5 anos,faltei uma semana inteira na escola,após ir as pressas a cidade natal de meus pais,porque meu avô não estava bem.Dos flashbacks que tenho,ele na cadeira de rodas ao lado de meu pai,sorrindo e dizendo tchau,é uma imagem que nunca esqueci.Com meus 8 anos, vi meu pai tendo que fazer uma cirurgia na perna por conta de ligamentos.As duas noites em que não esteve em casa,foram as em que mais senti saudades dele.O dia em que encontrei minha mãe chorando por conta de mais um problema que parecia não ter fim,e em que ela me abraçou apertado,por não saber mais o que fazer,foi um dos dias mais estranhos que vivi.Tinha 7 anos.Aos 12 anos,o que eu senti ao ouvir garotas que jurava serem minhas amigas,me chamarem de gorda e falarem coisas que nem merecem serem repetidas, sobre minha mãe,minha família,minha história,foi um dos dias mais decepcionantes que tive.Dentre todas as coisas que ja me aconteceram,os minutos que minha mãe passou, falando com minha tia,minha madrinha,minha segunda mãe,esta semana no telefone,foram os mais lentos de toda a minha vida.A dor de um amor perdido não passou nem perto do que senti no momento.
Eu não sei definir medo.Também não sei definir força.
Ler o significado de uma palavra em um dicionário não torna ninguém sábio.Você pode ler aquilo,milhares de vezes,e ter decorado.Não significa que você saiba o que é.As palavras não vão trazer a sensação até você.A vida vai.
E quando você menos espera, tudo começa a acontecer ao mesmo tempo.Dizem que a vida é cheia de surpresas.Você não acredita até conhece-las de perto.
Porque de repente, parece que sua cabeça esta girando.Com a pressão,com a possibilidade de nunca mais ver aquela prima,com o que a sua madrinha pode ter,com o que significa se ela realmente tiver,com o que você vai falar para o primo que você considera irmão a próxima vez que se encontrarem,com o que fazer com os gritos,com os choros,com as brigas,com tudo.
E então você começa a correr,tentando acompanhar aquele ritmo.O mais rapido que pode.Não importa mais se esta cansada.Nem se quer parar.Porque não é uma questão de querer.
É como se a vida estivesse dizendo:
- Começa aqui.Começa agora.E então,o que vai ser?
E fosse a sua hora,de entender,o que medo,e força,realmente significam.
Você segue em frente.
A partir daqui,a estrada é você.
"...I run after her,not really giving chase. I'm running because I can,because I must. Because I want to see how far I can go before I have to stop."

5 comentários:

Maria Fernanda disse...

Senti um arrepio que não tem explicação ao ler você. Porque sei como é difícil correr sem ter o devido preparo, pois a vida só chega e diz "vá" e a gente vai, sem saber sequer se vai aguentar. Ou até quando vai suportar.


Te desejo força ;*

Tainá Facó disse...

Ô gente! Que coisa mais cheia de sentimento! Essa vida, minha quueria, é cheia de surpresas, vendavais, cataclisma, a gente tem que tá preparada! Por isso, te desejo sorte, muita sorte!

Seu texto tocou muito comigo!

Meu beijo!

' Josi Keller disse...

Nossa.. na verdade eu reparei nisso sabe
E eu amo essa musica pq sei la.. no silencio ela pareçe profunda, certa, kerendo dizer algo, ela conbina com qualquer coisa
rsrs, sabe é estranho ver que as vezes algumas pessoas, assim como vc fez agora ve em mim, no que eu escrevo, tudo o que eu olho e procuro nos outros, isso me da um orgulho sabe ? rsrs, valeu mesmo
Ler ? Intediante ?Intao não somos nos que vemos magica ate nas reticencias ne ? ..rsrsrs
Abraçoos

.

Déh De Mari disse...

Desde que comecei a ler sobre budismo aprendi uma coisa que acredito que se aplica bem ao seu texto,.. Nessas horas em que a vida nos coloca no meio do vendaval, temos que respirar e ter serenidade para sentir que at'e o mais forte dos ventos que derruba casa sempre passara e deixara a vida plena em crescimento para nos refazermos de novo!!
Forca e sorte, as vezes o vento forte e apenas brisa antes da chuva, que quando para de cair da vida ao jardim florido prestes a nascer!! Fiquei comovida com o seu texto! bjos

sobrefatalismos disse...

Também não sei definir medo ou força. Sao coisas que sentimos e portanto - inexplicabeis.
Mas fique bem. Eu gostei muito daqui, obrigada pela visita.
Beijos.