terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Ela estava brincando de um lado para o outro.A risada de menina tomava conta do que aquele dia significava.O cheiro da árvore inundava aquela cidade pequena,aquela casa.As horas a faziam procurar no céu qualquer sinal.Os olhos brilhavam alegria,de garota,de mulher.
A casa da avó pouco a pouco fazia daquele dia mais uma das melhores recordações.As gargalhadas tomavam a atenção de qualquer pessoa que passasse pela rua.Aquela família chamava os olhares de qualquer desconhecido que vagava pelo lugar.Aqueles que os conheciam, entravam naquela garagem aberta de portões antigos,desejando o melhor de todos os dias,para todos.Dai em diante eram abraços,conversas,piadas,brincadeiras.Crianças correndo em todas as direções.Primos entretidos naquele esconde-esconde.Tios na lembrança de momentos vividos naquele local.Uma avó contando a história de sua vida.Irmãos com violão a mão,bongo em outra e um pandeiro improvisado feito de panelas,na cantoria mais desafinada e bonita de todos os tempos.
No tocar do relógio,indicando 23:30 um familiar desaparecia.Ao badalar das 24h houvia-se um sino.E olhando a sua frente,um papai-noel improvisado aparecia.Um papai-noel que havia tomado essa posição na família ja fazia 20 anos.Um papai-noel que trazia um sorriso no rosto de cada um daquela família,todo ano.Um que trazia os tão esperados presentes a cada criança.Um,que fazia possível acreditar no que tantos achavam tolo.Na sua existencia.
Naquela pequena cidade,aquela pequena casa,uma festa em família fazia dos minutos algo inexistente.Eram somente eles, e mais ninguém.Onde o dia de amanhã simplesmente não importava.Não naquele momento.
Ela estava brincando de um lado para o outro.E olhando a sua volta,a sua família,unida em um unico propósito,só havia uma coisa que desejava dizer
- Feliz Natal.

Da autora,para vocês.

Um comentário:

>Lia disse...

Feliz Natal, Carol?
E nosso pacto? Rola?
Vamos sair.