sábado, 30 de maio de 2009

D.,
Antes de começar eu preciso dizer que tenho quase certeza de que amanhã, quando acordar, eu vou provavelmente me achar uma idiota por escrever isso num lapso enorme de sono. E mais ainda por ser num 'lugar público'.
Eu também não vou poupar palavras. Eu não vou ser educada, nem medir o que estou falando, então entenderei se já quiser parar de ler.
Isso já está ficando velho. Mesmo. E eu não sei porque vou tocar nesse assunto de novo, mais aqui estou eu pronta para começar a falar, sabendo que quando chegar a manhã eu vou culpar o sono, mesmo sabendo que essa não é a verdade. Nunca foi.
Por onde começar?
Eu te escrevi três cartas. E eu poderia mencionar o sono de novo, mas isso não seria certo, porque não seria a realidade. Eu estava magoada quando as escrevi. E ao mesmo tempo em que as escrevi para você, eu na verdade as escrevi para mim. Para aliviar a dor que eu estava sentindo. E que ainda sinto de vez em quando.
Já fazem 3 anos. 1/2 apaixonada por você e o resto...bom, o resto tentando te esquecer de verdade. Você disse para sempre. Você disse para sempre, e você mentiu. (Sabe o que é engraçado? Enquanto eu escrevo isso, estou pensando nos meus amigos, e no que eles vão achar de tudo isso. Eu estou medindo minhas palavras, coisa que disse que não faria, porque imagino meus amigos lendo isso e pensando/dizendo "De novo?") E eu acreditei. É como se isso fosse um padrão, o clichê. Um cara te diz algo e você...você simplesmente acredita, porque quando você repete as mesmas palavras, você as repete de verdade. Porque é exatamente o que você sente. E porque você esquece naquele momento, que é só um cara. E eu cometi esse erro. Eu esqueci que era só você.
Uma pessoa normal provavelmente veria nossa 'história' como uma coisa comum e os meus sentimentos como uma coisa 'passageira'. Não foi tanto tempo assim. E não deveria significar tanto assim. Mas por alguma razão e de alguma forma você me marcou. A nossa amizade me marcou.
Ainda não passou tudo sabe? Ainda dói. O jeito como você simplesmente foi embora sem problema algum em só olhar para a frente e nunca para trás. A forma como eu percebi que na verdade, a minha amizade não significava nada para você. E como eu me apaixonei pelo meu melhor amigo, desde os 8 anos, no dia em que ele desapareceu. Não o garoto de agora. Eu detesto o garoto que você é hoje. Mas o garoto que você foi um dia nunca sumiu da minha cabeça. E quando eu ouço seu nome, é naquele garoto que eu penso. O garoto que me escreveu uma carta em um aniversario e leu na frente de todo mundo. O garoto que me abraçou e disse que ia ficar tudo bem. O garoto que me contou segredos e com quem eu conversava por horas. Porque você era incrível. Você era aquele alguém que quando as pessoas olhavam, elas diziam "Faltam pessoas assim perto da gente." E hoje ao olhar para você é "Ah, deve ser o popular da escola."
Você está orgulhoso? Em ter me machucado sem medo algum quando eu não fiz nada a não ser, ser sua amiga? Foi algum tipo de aposta? Gozação? Motivo de risada? Porque se foi, Parabéns, você conseguiu completar a sua missão sem erros. Deixou para trás uma garota destruída, e que teve que se esforçar para cicatrizar.
Me diz uma coisa, o que você sente quando se olha no espelho? É realmente quem você queria ser? É realmente quem você se via ser no futuro? Você devia sentir vergonha em ter se tornado tão...não você. Tão o que os outros queriam, e que achavam que você deveria ser. Tão uma réplica de um badboy de um filme popular americano.
Aliás, qual o seu problema em chamar minha atenção? Chega a ser irônico, sério. Parece que você tem uma máquina que apita toda vez que eu estou 100% não você, ou quando eu estou mal por culpa sua. Eu perdi a conta, do número de vezes em que eu começava a te esquecer de vez e você decidia que era um bom dia para conversar comigo. Ou quando eu fiquei sabendo que você estava com alguém e eu não queria te ver na frente e, além de te encontrar em todo canto, seu computador resolveu ser burro.
Eu cansei. Cansei de ouvir uma música e lembrar de você, de te procurar com os olhos e de sentir saudades. E principalmente, eu cansei de dizer que eu cansei.
Você começou como colega, virou o melhor amigo e se tornou paixão. E é como se eu tivesse assistido tudo isso dos bastidores. É como se eu estivesse passando os canais da TV e parasse em um bobinho mas que me deixou curiosa, e deixasse ali, só para ver como iria terminar.
Chegou a ser ridículo. Como eu não tinha controle algum quando você estava por perto. E como eu senti algo que não tem como colocar em palavras quando soube que você tinha alguém, e eu não. Eu não vou mentir, doeu. Doeu porque para mim foi só você por 2 anos, e vamos analisar, com a idade que nós temos, esse tempo é enorme. Doeu porque te esquecer foi dificil demais, e eu esperava poder encontrar alguém antes, só para me dar uma idéia diferente do que é o amor. Doeu porque eu não queria ver aquilo, nem ouvir aquilo. Doeu porque eu não tive a escolha de dizer não, eu tive que aceitar e ponto.
Enquanto você vive o seu 'felizes para sempre' eu vou procurar o meu, com as imperfeições que eu sei que terão.
E não existe outra forma de terminar essa carta a não ser com um definitivo adeus. Está na hora de pensar em mim e ser egoísta. Esta na hora de seguir em frente e te deixar no passado. Você será aquela história escondida, e talvez mal terminada em que eu não mexerei e que deixarei encostada para nunca olhar de novo. Eu já olhei demais para trás, e agora eu preciso olhar para frente. Sem espiar.
Antes de terminar eu só preciso dizer mais uma coisa.
Eu te amei. Muito. Mesmo. E não deixe isso subir sua cabeça, porque você será aquele primeiro amor esquecido. A história que você traçou e rabiscou, eu agora escrevo o final. Esse é o meu final.
Adeus.

C.


3 comentários:

Marcelle disse...

Você sabe que não importa o quanto você seja repetitiva, nós vamos sempre ouvir o que você tem a dizer. Inúmeras vezes.

JehJK disse...

contanto que você se sinta melhor depois de falar essas coisas, pode repetí-las quantas vezes quiser!

Flávia disse...

Repito oq a marcelle e a jé falaram... pode falar quantas vezes quiser! Se você sentir vontade de escrever de nvo pode! Mas espero realmente que isso seja um adeus definitivo... um adeus que tenha vindo do seu coração, porque será melhor para você!

Frá

p.s só descobri agora o seu blog, por isso estou comentando só agora!